Logo_NA_Verde_2013    
     
  a   a   a   a   a   a   a   a   a   a  
                             
 

DELFOS – O Centro do Mundo

 

 

Diz a tradição que Zeus soltou um dia duas águias em sentido contrário. Quando, após várias viagens estas se encontraram, deixaram cair uma pedra lavrada com esotéricos sinais e o nome oculto do lugar eleito. Esta cravou-se ao pé do Monte Parnaso e o lugar foi Delfos. 

Jorge Angel Livraga

 

A Apolo de Delfos compete as mais elevadas, as mais belas e mais importantes das disposições legais. (…) Pois sem dúvida é este deus que, em todos estes assuntos, é o intérprete nacional para todos os homens, quando profetiza sentado no omphalos, no centro da terra. 

Platão, in República (427bc)

 

 

 

delfosTal como acontece com o arquétipo de Acrópole, a ideia de uma cidade sagrada com o seu omphalos (umbigo) é comum a muitas das civilizações antigas, existindo em culturas tão distantes como a tiawanacota e a tibetana. Trata-se de um símbolo directamente relacionado com os pontos de contacto entre os diversos planos da Natureza e deverá ter analogia com a teoria oriental dos chakras (rodas energéticas) terrestres.

Narram autores antigos que desde tempos remotos reinava em Delfos a deusa Gea que aí dava oráculos num espaço defendido pela serpente (ou dragão-fêmea, drákaina) Píton. Quando surgiu a cultura minóica, Apolo abandona a sua ilha de Delos ajudado por nautas cretenses e dirige-se a Delfos – vocábulo etimologicamente relacionado com útero. Mata o monstro guardião com as flechas do seu arco divino, torna-se Senhor do Santuário e cobre com a pele da serpente o trípode solar onde a pitonisa se viria a sentar. Este mito recorda imediatamente o combate de Hórus contra a serpente Apóphis. Trata-se do mitologema do deus-herói solar (seja ele Apolo, Horus, Siegfried ou S. Jorge) que vence (ou cosmisa) as forças do caos e regenera o cosmos.

Estrabão na Geografia refere-se ao ritual da pitonisa de Delfos: «Dizem que o oráculo se senta numa cova, profunda e de abertura não muito larga, e que dela sai um alento inspirador. Sobre a abertura está colocado um alto trípode ao qual sobe a pitonisa, esta recebe o hálito e dá ordens em verso e prosa. Estes são também transcritos em verso por uns poetas ao serviço do Santuário». Quer dizer, dessa fenda geológica saía em certos momentos especiais (quando o deus estava operativo) uns vapores que provocavam o êxtase na pitonisa que emitia umas palavras ou sons (parece que, por vezes, seriam uns sons desconexos) que os sacerdotes do Apolo délfico registavam ou interpretavam. Para verificar se o deus estava presente vertia-se água sobre uma cabra, se o animal estremecia, era sinal de que Apolo estava presente.

 

"Estavam inscritas no Templo de Apolo máximas como «Nada em demasia», «Não se aproxime daqui quem não seja puro» e «Conhece-te a ti mesmo e conhecerás o Universo e os Deuses»."



Historiadores da religião vêem no mito de Apolo délfico a verticalização solar de um culto ctónico matrilinear. Na sua Mitologia Grega, Junito de Souza Brandão considera Apolo um deus kathársios (purificador), harmonizador e mensageiro de uma nova ética: «O novo senhor do Orá­culo do monte Parnaso trouxe ideias novas, ideias e conceitos que haveriam de exercer, durante séculos, influência marcante sobre a vida religiosa, política e social da Hélade. Mais do que em qualquer outra parte, o culto de Apolo testemunha, em Delfos, o carácter pacificador e ético do deus que tudo fez para conciliar as tensões que sempre exisitiram entre as pólis gregas. (…) Buscando ‘desbarbarizar’ velhos hábitos, as máximas do grandioso Templo Délfico pregam a sabedoria, o meio-termo, o equilíbrio, a moderação (…) um atestado bem nítido da influência ética e moderadora do deus Sol.»

Estavam inscritas no Templo de Apolo máximas como «Nada em demasia», «Não se aproxime daqui quem não seja puro» e «Conhece-te a ti mesmo e conhecerás o Universo e os Deuses». A primeira parte desta última inspirou o ofício maêutico de Sócrates. Em certa ocasião, Querefonte interrogou o oráculo sobre uma questão que o preocupava há muito: «Quem é o homem mais sábio de Atenas?» O oráculo respondeu: «Sábio é Sófocles, mais sábio é Eurípides, de todos os homens o mais sábio é Sócrates.»

delfos_2Durante cerca de mil anos, Delfos exerceu uma forte influência na sociedade grega. O seu complexo foi-se ampliando com a construção de vários templos para além do de Apolo, de um Teatro com lotação para cinco mil pessoas e de um extraordinário Estádio com 200 metros de longitude com espaço para sete mil espectadores, onde se celebravam os Jogos Pítios cada quatro anos. Estes combinavam o desporto, a música e o teatro, tendo para os Gregos o condão de perpetuar a vitória de Apolo sobre Píton e de manter a serpente-dragão in bono animo.

A renovação espiritual concretizada com o culto apolíneo vem no seguimento da mensagem órfica e prosseguiu com a acção de grandes génios da sabedoria como Pitágoras, conhecido como o filho de Apolo, e Platão. O deus délfico, como viajante que era, estava muitas vezes ausente mas regressava sempre na altura da Primavera vindo do reino dos Hiperbóreos. No Inverno, Dionísio governa em Delfos. Dionísio, o deus dos êxtases e da transgressão, num certo sentido contraparte de Apolo, era esotericamente uma divindade mistérica de simbolismo muito profundo. Tem relação com o Osíris egípcio.

Entretanto, a Fonte Castália onde se banhavam ritualmente as pitonisas e se purificavam aqueles que desejavam consultar o deus, perdeu o seu dom lustral e de Apolo não sabemos em que lugar está presente…

 

Paulo Alexandre Loução
Investigador e Escritor 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
 
  Nova Acrópole  
  imagem  
  CURSO FILOSOFIA PRÁTICA
A Sabedoria Viva das Antigas Civilizações
 
   
  Vide Programa do Curso  
 

  ACTIVIDADES n.a. EM PORTUGAL  
 

a

 
  Aveiro  
  Braga  
  Coimbra  
  Lisboa  
  Oeiras-Cascais  
  Porto  
   
  Notícias  
     

  NOVA ACRÓPOLE INTERNACIONAL  

  Anuários  
  Resoluções da Assembleia Geral  
     
  Perguntas Frequentes  
   
     
  Nova Acrópole Internacional  
     

SITES N.A. EM PORTUGAL

Porto
Coimbra
Aveiro
Braga
 

  outros cursos  

   
  Arte de Falar em Público  
  Cursos de Matemática e
Geometria Sagradas
 
  Florais de Bach  
  Outros Cursos  
     

  REVISTA ACRÓPOLE  

   
     

  NOVIDADES EDITORIAIS  

  TÍTULOS PUBLICADOS  
   
 

 
© Nova Acrópole 2009 | Optimizado para monitor 1024X800 | Mapa do site | Webmaster