Logo_NA_Verde_2013    
     
  a   a   a   a   a   a   a   a   a   a  
                             
 

O Mapa de Piri Reis

 

Um dos enigmas mais fascinantes que podemos encontrar é o chamado mapa de Piri Reis. Este é um dos mais de 210 mapas de todos os mares do mundo que o pirata turco Piri Reis recompilou ao longo da sua vida. Aquele que nos interessa foi feito no ano de 1513 e representa o oceano Atlântico, com as costas de Espanha, África e as Américas do Norte e do Sul. Junto com o resto dos seus mapas, recolhidos num livro chamado Kitabi Bahriye, foi oferecido ao Sultão e não saiu à luz até ao ano de 1929, na altura em que se fazia um inventário dos fundos do Palácio de Topkapi de Istambul.

Está feito em couro de gazela e mede cerca 85 por 60 cm. O estudo deste mapa deixou sem palavras mais de um investigador.

"O mapa representa certamente a Antártida,
não a capa de gelo que a cobre, mas a massa
continental que subjaz debaixo do gelo"


Segundo contava o próprio Piri Reis, tinha-o feito a partir de mapas do Caribe de Cristóvão Colombo e de outros mapas da época de Alexandre Magno, sem especificar os autores.

O estudo realizado por diversos cartógrafos é surpreendente. Utiliza um sistema de coordenadas exactas que demonstram uma correcta medição da longitude. Se bem que a latitude (distância de qualquer ponto da Terra ao Equador) fosse uma magnitude medida com uma exactidão apreciável desde tempos muito antigos (Eratóstenes de Alexandria usou a diferença de latitude entre Alexandria e o Assuão, quer dizer, a diferença entre a longitude das sombras de um mesmo objecto à mesma hora, para calcular o raio da Terra), a longitude não pôde ser medida com a mesma exactidão até ao século XVIII. Foi com o desenvolvimento de relógios precisos que se estabeleceu o sistema de meridianos a partir do meridiano zero, ou de Greenwich, seguindo as diferenças horárias. Para além disso, o mapa reflecte conhecimentos de trigonometria esférica que não se desenvolveram antes do século XVIII.

O professor Sarton, da Universidade de Harvard, estudando as distâncias no mapa, concluiu que a escala usada foi extraída da medição da circunferência terrestre realizada por Eratóstenes de Alexandria no século III A.C. (cujo erro é mínimo), utilizando como unidade de medida o «estádio» grego, equivalente a 186 m. No seu relatório final assegurou que as distâncias do mapa de Piri Reis são exactas.

Tudo isto é inaudito num mapa do século XVI, pois custa-nos muito assumir tanta perfeição nessa época. Mas, o que é realmente chocante começa a aparecer quando descobrimos assinalada no mapa a cordilheira dos Andes, já que Pizarro não chegou ao Peru antes de 1532 e o mapa foi feito quase vinte anos antes.

Sobre a cordilheira aparece, junto à representação de alguns animais fantásticos, uma figura antropomórfica constituída por uma cabeça barbuda da qual saem os braços e as pernas, mas sem corpo. O curioso é que a sua posição coincide com Tiahuanaco e a personagem poderia representar o deus da famosa Porta do Sol.

Interpreta-se que este deus é Viracocha, deus barbado dos incas (os nativos americanos carecem de barba), que está estreitamente relacionado com os mitos andinos do Dilúvio e com uma origem oceânica dos povoadores americanos.

Esta antecipação cronológica da cartografia da cordilheira, poderia fazer-nos pensar que o mapa é uma falsificação posterior, facto que tranquilizaria as nossas consciências sobre a exactidão dos métodos empregados para a sua realização. No entanto, os cartógrafos que o estudaram, concluíram que é autêntico.

E ainda há mais surpresas.

"Outro detalhe: à altura do Equador
aparecem duas ilhas que hoje não existem… "


Ao observar o extremo inferior da América do Sul, vemos que não aparece o Estreito de Magalhães, mas que a América do Sul continua com a Antártida, por certo, totalmente desconhecida até ao século XVIII, já que foi James Cook, em 1774, quem primeiro atravessou o círculo polar.

Um erro provocado pela ignorância? O autor do mapa inventou a terra que aparece ao sul, que não é realmente a Antártida? Não. O mapa representa certamente a Antártida, não a capa de gelo que a cobre, mas a massa continental que subjaz debaixo do gelo (cuja espessura média cifra-se entre 2200 m e 2600 m).

Há também a assinalar que a cartografia da parte continental não pôde realizar-se na actualidade até poder contar com satélites artificiais e as suas técnicas sofisticadas de observação. Por outro lado, existe realmente uma conexão ou «ponte continental» entre a América do Sul e a Antártida, embora isto só se tenha vindo a saber alguns anos depois da descoberta do mapa no Palácio de Topkapi, à custa de sondagens com sonar dos navios oceanográficos, uma ponte continental que devia ter estado emersa durante a época glaciar e o baixo nível do mar.

Em 1960, o especialista em cartografia Harold Z. Ohlmeyer, ao comparar as costas antárcticas do mapa de 1513 com as recém cartografadas plataformas, teve de concluir que a origem do mapa de Piri Reis devia remontar pelo menos a um período entre 8.000 e 10 000 anos. Mas, mesmo assumindo que realmente houve uma civilização com os conhecimentos científicos e geográficos necessários em tal época, como se poderia ter cartografado a base continental da Antártida precisamente durante uma época glaciar?

A costa Antárctica do sul do Atlântico só poderia ter estado livre de gelo se o eixo de rotação terrestre tivesse estado desviado da sua posição actual. Se o Pólo Norte estivesse desviado em direcção à Gronelândia, como a distribuição dos gelos no Hemisfério Norte parece descrever, então o Pólo Sul devia estar desviado para o Pacífico, em direcção à Austrália, e, a zona de que falamos ficaria fora do círculo polar e poderia aparecer livre de gelo. O Estreito de Magalhães ter-se-ia convertido, neste caso, no equivalente ao emerso Estreito de Bering no Hemisfério Norte.

Outro detalhe: à altura do Equador aparecem duas ilhas que hoje não existem…

Existem outros mapas antigos que poderiam ser interpretados como errados ou anacronicamente exactos ao mostrar a Gronelândia sem gelo, com rios, vales e montanhas (mapa de Zeno, 1380), o Oceano Índico e parte da Austrália (mapa de Jorge Reinel, 1510), a Antártida sem gelo, com rios e montanhas (mapa de Orenteus Finaeus, 1531) ou o continente americano completo (mapa de Adji Ahmed, 1559).

Estamos a interpretar com demasiada generosidade uns mapas muito imaginativos e casualmente próximos à realidade? Não será certo que na mítica Biblioteca de Alexandria, cidade fundada por Alexandre Magno, se guardavam documentos realmente muito antigos, vestígios de uma época mais civilizada, na qual o mundo era um lugar conhecido?

Alguma coisa deve ter-se salvo dos incêndios catastróficos que sofreu este museu do conhecimento do mundo antigo. Ainda que a biblioteca já tivesse sofrido um sério incêndio na época de Júlio César, foram os incêndios intencionais causados pelos cristãos no século IV e por muçulmanos no século VII, fruto do fanatismo e da intolerância, que arrasaram e destruíram totalmente aquela que tinha sido a luz do conhecimento para todo o Ocidente durante séculos. Embora, talvez, não se tenha perdido tudo. Que outra explicação se pode atribuir a este fantástico mapa? A não ser, claro está, que tenham sido astronautas extraterrestres a extraviarem os seus mapas.

 

Ana Díaz Sierra | Miguel Artola Molleman

 

curso_filosofia

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
 
  Nova Acrópole  
  imagem  
  CURSO FILOSOFIA PRÁTICA
A Sabedoria Viva das Antigas Civilizações
 
   
  Vide Programa do Curso  
 

  ACTIVIDADES n.a. EM PORTUGAL  
 

a

 
  Aveiro  
  Braga  
  Coimbra  
  Lisboa  
  Oeiras-Cascais  
  Porto  
   
  Notícias  
     

  NOVA ACRÓPOLE INTERNACIONAL  

  Anuários  
  Resoluções da Assembleia Geral  
     
  Perguntas Frequentes  
   
     
  Nova Acrópole Internacional  
     

SITES N.A. EM PORTUGAL

Porto
Coimbra
Aveiro
Braga
 

  outros cursos  

   
  Arte de Falar em Público  
  Cursos de Matemática e
Geometria Sagradas
 
  Florais de Bach  
  Outros Cursos  
     

  REVISTA ACRÓPOLE  

   
     

  NOVIDADES EDITORIAIS  

  TÍTULOS PUBLICADOS  
   
 

 
© Nova Acrópole 2009 | Optimizado para monitor 1024X800 | Mapa do site | Webmaster