Logo_NA_Verde_2013    
     
  a   a   a   a   a   a   a   a   a   a  
                             
 

Os Mistérios


Nenhuma [instituição ateniense] é melhor do que a dos mistérios. Por seu meio fomos retirados do nosso bárbaro e selvagem modo de vida, educados e refinados num estado de civilização. Dos ritos que se denominam de iniciações, em verdade aprendemos através deles os princípios da vida.

Cícero


misteriosComo escreveu o filósofo Jorge Angel Livraga, na Grécia antiga a «Religião tinha uma infinidade de matizes quanto à sua intensidade, que podemos agrupar em dois grandes blocos: o exotérico e o esotérico. O primeiro agrupava todas as crenças e festividades religiosas populares, tradições, procissões, ‘jogos’ e competições de carácter sagrado, culto aos antepassados e aos espíritos da natureza. O segundo era como o coração de tudo o resto: estava oculto, mas o seu ritmo e vivência alentava toda a forma de fé e de conhecimento. Existiam vários “mistérios” presididos, tanto quanto sabemos, por um deus. Todos eles estavam coordenados por um grupo de magos iniciados que representavam a coroa das possibilidades humanas e a ponte entre a humanidade e a divindade. Eram os guardiães de certos objectos e conhecimentos secretos (…).» Quer dizer, para além do culto externo, popular, a religião grega tinha uma dimensão esotérica (esoterikós: o que é peculiar aos de dentro, da intimidade, da interioridade) através da qual os candidatos aceites tinham acesso ao significado filosófico dos mitos e a cerimónias especiais que tinham o dom de provocar reminiscências e visões espirituais, ou seja, eram iluminados por uma sabedoria supra-racional. Platão, o filósofo por excelência dos mistérios, escreveu no Fedro: «Uma vez iniciados nestes Mistérios, os mais sagrados de todos, assim podemos dizer (…) ficávamos livres de males que, de outro modo, nos aguardariam em época futura. E em virtude desta divina iniciação ainda nos tornávamos espectadores de simples, completas, inalteráveis e benditas visões, que apareciam banhadas por uma luz argêntea.» Teon de Esmirna descreveu na sua obra Matemática as cinco fases do ritual místico dos Mistérios. «Esta iniciação divide-se em cinco partes: I, purificação prévia; II, a admissão à participação nos ritos arcanos; III, a revelação epóptica; IV, a investidura ou entronização; e V, a quinta, consequência de todas estas, é a amizade e a comunhão com Deus, e o prazer da felicidade que provém da íntima relação com os se­res divinos. (...) Platão denomina epopteia ou visão pessoal, a perfeita contemplação das coisas que são percebidas intuitivamente, as verdades e ideias absolutas.»


Os grandes génios da Antiguidade greco-latina, tais como Platão, Cícero, Séneca, Plutarco, teceram os maiores elogios à instituição dos mistérios. Tal é natural dado que os mistérios constituíam a estrutura-base, moral e espiritual, do mundo clássico. Este facto tem sido escamoteado pela maioria dos historiadores por não conseguirem integrar-se no «centro», no «eixo de consciência» que tornou possível o milagre grego. Tal não aconteceu com Karl Kerényi, académico húngaro do século XX e eminente estudioso das religiões e das línguas clássicas. Manteve uma estreita amizade com Jung com quem escreveu em parceria a Introdução à Essência da Mitologia. Na sua obra Elêusis, sustenta que: «A participação nos mistérios oferecia a garantia de uma vida sem temor à morte, a confiança perante a morte. Por isso os poetas consideravam os iniciados muito superiores relativamente aos outros mortais. Todos os gregos – realmente todos os falantes de grego, uma vez que o critério era a linguagem – podiam participar deste dom. Conferia à existência dos gregos uma característica de segurança que correspondia a uma necessidade espiritual que, para eles, não era irracional supor que formava um vínculo que unia todo o género humano: a necessidade de um baluarte seguro contra a morte. (…) os mistérios tinham uma importância fundamental para a comunidade, para a existência em comum. (…) Seria a vida digna de ser vivida sem a esperança inspirada pelos mistérios de Elêusis? Face à morte que tudo devora, os mistérios proporcionavam confiança tanto à comunidade como ao indivíduo.»
Para Fernando Pessoa era clara a existência do esoterismo dos mistérios na Grécia antiga: «O paganismo helénico tem duas feições: a exotérica (...) e a esotérica, que o helenismo aprendia apenas nos mistérios, a parte oculta do paganismo, ligada intimamente – mais mesmo que a parte aparente e normal – aos velhos cultos e sacerdócios do Egipto e do Oriente indefinido. Em Pitágoras emerge, afirma-se em Platão, este esoterismo pagão.»

O TESTEMUNHO DE PLUTARCO

Plutarco, sacerdote do Templo de Apolo em Delfos e um dos autores consagrados do mundo clássico, descreveu uma parte da experiência viva da grande iniciação:

«Neste mundo [a alma] não tem conhecimento, salvo quando chega ao transe da morte. Então, sofre uma experiência como a daqueles que participam nas grandes iniciações. Por isso se parecem, tanto a palavra com a obra (‘morrer’ e ‘iniciar-se’), como uma acção com a outra. Primeiro, o vaguear sem rumo, os circuitos fatigantes e os percursos na obscuridade com a suspeita de que nunca terão fim e logo, antes de chegar ao próprio término, todos os terrores, estremecimentos, tremores, suor e confusão. Mas daí sai-se ao encontro de uma luz admirável e é-se acolhido em lugares puros e pradarias, repletas de sons e danças e da solenidade das palavras sacras e visões santas. Uma vez saciado de tudo isso e já iniciado, regressa-se livre e caminha-se liberto; coroado, celebra os mistérios e, na companhia de homens santos e puros, vê dali a turba não iniciada e impura dos seres vivos, no meio da lama e das trevas, pisando-se e empurrando-se uns aos outros, persistindo no medo da morte em comunhão com os malvados, por falta de fé nos bens dali.» (Fragm. 178, Sandbach)

 

Paulo Alexandre Loução
Investigador e Escritor


No céu aprender é ver, na terra é recordar.

Ditoso quem atravessou os Mistérios, ele conhece a fonte e o fim da vida.

Píndaro

 

 

curso_filosofia

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
 
  Nova Acrópole  
  imagem  
  CURSO FILOSOFIA PRÁTICA
A Sabedoria Viva das Antigas Civilizações
 
   
  Vide Programa do Curso  
 

  ACTIVIDADES n.a. EM PORTUGAL  
 

a

 
  Aveiro  
  Braga  
  Coimbra  
  Lisboa  
  Oeiras-Cascais  
  Porto  
   
  Notícias  
     

  NOVA ACRÓPOLE INTERNACIONAL  

  Anuários  
  Resoluções da Assembleia Geral  
     
  Perguntas Frequentes  
   
     
  Nova Acrópole Internacional  
     

SITES N.A. EM PORTUGAL

Porto
Coimbra
Aveiro
Braga
 

  outros cursos  

   
  Arte de Falar em Público  
  Cursos de Matemática e
Geometria Sagradas
 
  Florais de Bach  
  Outros Cursos  
     

  REVISTA ACRÓPOLE  

   
     

  NOVIDADES EDITORIAIS  

  TÍTULOS PUBLICADOS  
   
 

 
© Nova Acrópole 2009 | Optimizado para monitor 1024X800 | Mapa do site | Webmaster