Logo_NA_Verde_2013    
     
  a   a   a   a   a   a   a   a   a   a  
                             
 

Mitraismo e Cristianismo

Não é o propósito destas breves linhas fazer um estudo exaustivo do Mitraismo e as fortes marcas que deixou no Cristianismo, mas antes deixar algumas notas comparativas e que quem as ler possa retirar as suas conclusões ou pontos de partida para uma investigação mais exaustiva.

O mitraismo que se vai desenvolver no seio do império romano é uma simbiose entre o mitraísmo persa, a astrologia babilónica e os mistérios gregos, tendo os primeiros contactos entre o mitraísmom persa e o império romano ocorrido no séc. I a.C. Antes já o mitraismo tinha criado influências no ocidente através das conquistas de Alexandre Magno e a queda do Império Persa no ano 330 a.C., quando o próprio Alexandre e milhares dos seus soldados macedónios se casam com mulheres persas, iniciando-se nos mistérios de Mitra muitos destes soldados, os seus filhos e o próprio Alexandre Magno, introduzindo este culto na Macedónia e na Grécia. Possivelmente o centro mais importante do culto mitraico ficava em Tarso, cidade natal de apóstolo S. Paulo. O culto mitraico sobreviveu em Roma até 394, tendo a Basílica de S. Pedro no Vaticano sido construída sobre o último lugar deste culto, o Phrygianum. A partir daí muitos outros templos cristãos foram erguidos por cima das cavernas com o seu Mithrae, como a Catedral de Cantebury, a Catedral de S. Paulo em Londres, o mosteiro do Monte Saint-Michel, a Igreja de S. Clemente em Roma e muitas outras.
A mística mitraica não era apenas contemplativa mas encorajava à acção e a um grande rigor moral, tendo tido uma forte adesão por parte do corpo militar romano, para estes militares, a resistência ao mal e às acções imorais constituía uma vitória tão importante quanto as vitórias militares.

Da iniciação mitraica fazia parte a subida simbólica de uma escada cerimonial de sete degraus, cada um de um metal diferente simbolizando os sete corpos celestes e os sete raios do universo. Esses sete graus de iniciação eram: Corax (Corvo) – Mercúrio; Nymphus (Noivo) – Vénus; Miles (Soldado) – Marte; Leo (Leão) – Jupiter; Perses (Persa) – Lua; Heliodromus (Corrida do Sol) – Sol; Pater (Pai) – Saturno.

Mitra nasce a 25 de Dezembro, data também atribuida ao nascimento de Hórus no Egipto e posteriormente atribuída ao nascimento de Jesus. Sabe-se que historicamente Cristo não teria nascido nesta data e que somente no fim do mitraismo a igreja católica “cristianizou” este dia com a Festa de Natal. A celebração mitraica do nascimento de Mitra denominava-se Natalis Invicti, que coincindia a mesma data de 25 de Dezembro com a celebração romana do Sol Invictos, O Sol Invencível.

Tal como vamos encontrar posteriormente com Jesus, o nascimento de Mitra dá-se numa gruta, sendo também este anunciado por uma estrela. Ambos nascem de uma Virgem Imaculada que toma o nome de “Mãe de Deus”, o seu nome é Anihata ou Anahita, também deusa ou génio do Fogo. No momento do nascimento de Mitra vamos encontrar também a presença de pastores, que com os seus rebanhos, veem adorar o menino. Em algumas tradições, Mitra nasce da própria rocha.

Não querendo alongar-me no simbolismo da gruta, não posso deixar de citar um excerto de Porfírio, da sua obra “O Antro das Ninfas” falando precisamente sobre a importância mistérica da gruta:

“Não se considerava o antro como símbolo só do mundo sensível, mas também de todas as forças ocultas da natureza, já que os antros são obscuros e a essência das ditas forças é misteriosa.”

A consagração do pão e do vinho do ritual cristão, podemos já encontrá-lo no mitraismo. São Justino Mártir refere uma eucaristia de Mitra onde os fiéis compartilhavam pequenos pães redondos e água consagrada (segundo outras fontes também o vinho) simbolizando a carne e o sangue do deus encarnado. Este ritual ocorria aos domingos, dia consagrado ao Sol, e era denominado Myazda.

Considerava-se que Mitra não morria, senão simbolicamente, como divindade solar no seu ciclo descendente, mas ressuscitando todos os anos. Cumprida a sua missão na Terra, diz-se que jantou pela última vez com os seus discípulos, em número de 12, e subiu ao Céu. Ele encarnou para viver entre os homens e morreu para que todos fossem salvos.

Durante o ritual de ressurreição os fiéis pronunciavam as palavras:

“Aquele que não comer o meu corpo e beber o meu sangue, assim que ele seja em mim e eu nele, não será salvo”.

Também entre o mitraismo vamos encontrar o rito do baptismo, através do qual era garantida a vida eterna.
A figura de Cristo crucificado, como símbolo do Cristianismo, não era usado até ao ano 680 d.C., mas sim o Cordeiro de Deus, igualmente um símbolo mitraico.

Ao longo dos séculos várias têm sido as contraposições mais absurdas sobre estas similitudes. Alguns acusam o mitraismo de plagiar o cristianismo, argumento que morre à nascença sabendo-se que o mitraismo é anterior, então surge o argumento que foi obra do diabo para denegrir o cristianismo e afastar os homens do caminho, como o que afirmava Tertuliano (160-220 d.C.) que dizia que o mitraismo utilizava indevidamente o baptismo e a consagração do pão e do vinho e que era inspirado pelo diabo para ridicularizar os sacramentos cristãos com o intuito de levá-los para o inferno.

Penso que os factos nos mostram claramente a adopção de elementos do mitraismo pelo cristianismo, facto que tão pouco nos deve chocar, pois esse processo de assimilação encontra-se facilmente em toda a história das religiões a ocidente como a oriente. As verdades de cada religião e símbolos têm em geral um valor atemporal e simbólico, sendo natural que quando surge uma religião se adoptem, com mais ou menos adaptação, símbolos e ritos, milhares e milhares de vezes repetidos, assumindo um poder a nível do inconsciente colectivo dos povos. Porque razão não encontraríamos o mesmo processo no cristianismo? Bem, segundo alguns porque seria a religião verdadeira... pois é um argumento pouco consistente.

Para melhor compreendermos o cristianismo e a mensagem nele contida, é importante o entendimento de muitas doutrinas, grupos, religiões que deram contributos importantes ao cristianismo e outros que simplesmente foram assimilados nos seus aspectos formais para que dessa forma adquirissem o poder sobre aqueles que seguiam esses mesmos cultos.

José Ramos
Coimbra, Setembro 2012

 

Bibliografia:
- “O Mitraismo e o Cristianismo”,  Prof Almeida Paiva, Ed. Tip. da empresa Literária e Tipográfica, 1916


 

curso_filosofia

 

 

 
 
  Nova Acrópole  
 

 
 

PROGRAMA KAIRÓS
DESENVOLVIMENTO PESSOAL

 
  Kairós  
  Vide Programa  
     
  CURSO FILOSOFIA E PSICOLOGIA
PRÁTICAS

A Sabedoria Viva das Antigas Civilizações
 
   
  Vide Programa do Curso  
 
FILOSOFIA ESOTÉRICA
Vide Programa
 

  ACTIVIDADES n.a. EM PORTUGAL  
 

a

 
  Lisboa  
  Porto  
  Coimbra  
  Aveiro  
     
  Notícias  
     

  NOVA ACRÓPOLE INTERNACIONAL  

  Anuários  
  Resoluções da Assembleia Geral  
     
  Perguntas Frequentes  
   
     
  Nova Acrópole Internacional  
     

SITES N.A. EM PORTUGAL

Porto
Coimbra
Aveiro
 

  outros cursos  

   
  Arte de Falar em Público  
  Florais de Bach  
     

  cÍrculo lima de freitas  

  Cursos de Matemática e
Geometria Sagradas

 
   
     

  REVISTA ACRÓPOLE  

   
     

  NOVIDADES EDITORIAIS  

  TÍTULOS PUBLICADOS  
   
 

 
© Nova Acrópole 2009 | Optimizado para monitor 1024X800 | Mapa do site | Webmaster