Logo_NA_Verde_2013    
     
  a   a   a   a   a   a   a   a   a   a  
                             
 

O Que é a Filosofia


filosofiaQual é o sentido de tudo? Para onde gira a roda da existência? Para quê? Por que nos encontramos aqui e agora? De onde viemos e para onde vamos? O que faz com que permaneçamos em pé, no meio da maré da vida? Qual é o lugar do homem na Natureza? Que destino nos espera mais além da morte? Voltamos a nascer? Como e de onde surge no homem a consciência daquilo que se deve fazer e daquilo que não? Temos alma? Pode a razão demonstrar a existência de Deus? Por que a evolução ca­minha com passos tão firmes e inequívocos? Quem traça o Plano que se reflecte com precisão matemática no código genético?

É possível conhecermos a nós próprios?Quem é que não realizou já estas perguntas a si próprio? Somente dois tipos de pessoas, aquele que se contenta com respostas superficiais que jamais poderá verificar e aquele que já conhece as respostas e, portanto, encontra-se mais além da condição humana. Entre ambos os extremos encontra-se o filósofo, aquele que procura a verdade. Filósofo é aquele que caminha por si próprio e caminha no mundo procurando respostas.

De certo modo, o filósofo partilha o destino do peregrino. Este último procura Deus e para isso percorre os lugares santos. O filósofo, por outro lado, procura a verdade, uma verdade que torne mais firmes os seus passos. Procura a sabedoria que os possa nutrir, sem se contentar com a primeira coisa que encontra. Mais além, sempre mais além. Como disse Giordano Bruno, o filósofo é insaciável como o fogo e sente em si a certeza daquilo que busca. Que agudeza a de Platão quando descreveu o filósofo como filho da abundância do céu e da pobreza e orfandade da terra. Para Séneca, por outro lado, o filósofo é aquele que sobe a montanha interior e nela adquire certeza e serenidade. Uma montanha que se eleva por cima dos ventos das paixões terrenas, e que ainda é superior à própria fortuna, estranha «deusa» a quem o néscio chama senhora do mundo.

Confúcio comparou o filósofo com uma flecha com olhos. Dotada de um divino impulso, sabe para onde vai. Vai ao coração da realidade.

Para os egípcios, o filósofo é o que saber olhar para o seu próprio coração e encontrar nele, como se fosse um espelho mágico, respostas às perguntas que a vida apresenta. Ele, diziam os egípcios, pode dar as respostas porque a sua alma – a tua, a nossa – é tão velha ou mais do que o Universo. Pode responder a quem o requisitar, porque nele en­contra-se o segredo do Ontem, do Hoje e do Amanhã. Os egípcios também outorgaram ao filósofo as medidas dos seres e das acções. Segundo o seu discurso poético o aprendiz da sabedoria trans­porta a regra de Maat e pode determinar o verdadeiro valor de tudo aquilo que quiser medir. Assim, traça as suas sendas com a mesma precisão com que o deus Thot traça as sendas dos astros e o valor dos números.

É evidente que a imagem que a Antiguidade Clássica teve do filósofo não é a mesma que é desenhada nos tempos modernos. O verdadeiro filósofo sabe o que sabe e o que não sabe e é capaz de traçar entre ambos uma linha matemática. Ao actual erudito especializado fervem-lhe as opiniões de uns e de outros. Ao verdadeiro filósofo a profundidade da vida torna-o silencioso e afável. Aquele que simplesmente transporta diploma e insígnia, arqueia a sua coluna vertebral e moral diante do peso de tudo o que leu. Mas no fundo muitas vezes nem o entende nem o valoriza porque não o vive. Encontramos o verdadeiro filósofo no campo de batalha, como Sócrates, ou tocando a lira, como Confúcio ou simplesmente trabalhando e cumprindo com os seus deveres quotidianos. Foi o próprio Confúcio que disse: «Que grande é a lei do dever do homem sábio. É um oceano sem margens».

 

José Carlos Fernández
Director Nacional da Nova Acrópole


Pode Desenvolver mais a Temática deste Artigo sobre Filosofia
no Curso de Filosofia Prática


Veja o Programa do Curso e Increva-se Aqui

curso_filosofia


.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
 
  Nova Acrópole  
  imagem  
  CURSO FILOSOFIA PRÁTICA
A Sabedoria Viva das Antigas Civilizações
 
   
  Vide Programa do Curso  
 

  ACTIVIDADES n.a. EM PORTUGAL  
 

a

 
  Aveiro  
  Braga  
  Coimbra  
  Lisboa  
  Oeiras-Cascais  
  Porto  
   
  Notícias  
     

  NOVA ACRÓPOLE INTERNACIONAL  

  Anuários  
  Resoluções da Assembleia Geral  
     
  Perguntas Frequentes  
   
     
  Nova Acrópole Internacional  
     

SITES N.A. EM PORTUGAL

Porto
Coimbra
Aveiro
Braga
 

  outros cursos  

   
  Arte de Falar em Público  
  Cursos de Matemática e
Geometria Sagradas
 
  Florais de Bach  
  Outros Cursos  
     

  REVISTA ACRÓPOLE  

   
     

  NOVIDADES EDITORIAIS  

  TÍTULOS PUBLICADOS  
   
 

 
© Nova Acrópole 2009 | Optimizado para monitor 1024X800 | Mapa do site | Webmaster