Logo_NA_Verde_2013    
     
  a   a   a   a   a   a   a   a   a   a  
                             
 

A Qualidade de Vida no Antigo Egipto

“Salve, ó Nilo! a ti que chegas em paz para dar vida ao Egipto. Tu matas a sede à terra em todos os lugares, deus dos grãos, senhor dos peixes, criador do trigo, produtor da cevada. Bendito sejas.”

 

Breves notas, curiosidades e textos egipcios procurarão apenas dar umas pinceladas de um quadro extremamente colorido e feliz como o que foi o da vida quotidiana do antigo Egipto alternada entre a felicidade do trabalho e os mais de 105 dias festivos por ano unidos por um sentido social imbuido de grande sentido de justiça e humanismo.

A Agricultura e as estações:

A divisão do ano, que marcava o ritmo da vida, era baseada nas estações e na relação que se estabelecia entre o ser humano e os ciclos anuais. Essa divisão era marcada por três estações de quatro meses, cada um deles denominado como primeiro, segundo, terceiro ou quarto mês da respectiva estação.

Akhet

Era a primeira estação, que iniciava em fins de Julho e ia até Novembro.
Era a estação das inundações e por isso o período de maior descanço dos agricultores passando mais tempo em família.
Realizavam-se numerosas festividades de Ano Novo, celebrando a Renovação do Mundo, que era marcado pelo surgimento da Estrela Sirius a oriente antes do nascer do Sol.

Peret

A segunda estação que ia de Novembro a Março e caracterizava-se como a estação da germinação.
Mal a terra emergia das inundações, trabalhavam-na e semeavam-na. Através de canais e diques mantinham a irrigação dos campos, para tal utilizavam um sistema de medição do caudal do Nilo, o nilómetro, e engenhosamente a retirada da água para a irrigação era feita através de um elevador de água denominado chadouf.
O trabalho no campo era uma alegre comunhão com a natureza, acompanhado de canções e música como hinos à natureza, ao trabalho e à vida.

Chemou
A terceira estação, que cobria os meses de Março a Julho, e que correspondia à estação das colheitas.
Pinturas e baixos relevos egipcios mostram a alegria das colheitas. Enquanto se aguardava a nova cheia procedia-se às colheitas, à marcação dos animais e à colheita do mel.


Os primeiros frutos das colheitas eram oferendados em lugares sagrados no extremo dos campos.

A relação estreita que os egipcios tinham com a terra está presente no próprio nome dos agricultores, que era Merit, e provinha de Mer, enxada, e que entra na composição do verbo Meri, Amor, realçando para o egipcio o trabalho na terra como acto de amor pela terra.

Conceitos e imagens agriculas inspiraram muitas instruções morais:
“Se semeias e tens uma boa colheita e Deus concede-te com liberalidade, não satisfaças o teu apetite em frente dos vizinhos”

“É melhor um apet de terra que deus te concedeu, do que 500 apet obtidos por fraude”

Declaração de inocência:
“Não maltratei o gado, não obriguei ninguém a trabalhar (nos campos) além das suas forças, não alterei nem meia arura dos campos; não expulsei os animais dos seus pastos; não detive a água (irrigável) no seu tempo...”


A própria imagem do paraíso (Amenti) para o egipcio era semelhante aos campos cultivados com amor enquanto vivos. Havia um amor muito grande pelos animais domésticos, falavam-lhes tratando-os por nomes carinhosos e considerando-os seus amigos. Após as sementeiras, levavam os animais para os campos, onde ajudavam a fixar as sementes à terra e as adubavam.

Possuiam um grande apreço pelos jardins e respeitavam todos os elementos da natureza, não extraindo sequer uma pedra em vão da pedreira.

 

 

Organização Social:

Era uma organização piramidal, caracterizada por um forte sentido de responsabilidade e eficácia onde quer que se estivesse, um profundo sentido de justiça, equilibrio e claridade levando a não colocar mais peso de responsabilidade sobre cada um do que aquele que podia suportar, culminando na autoridade unificadora do Faraó. Toda a organização social era trespassada por uma forte ideia de humanidade.

“Governa para que façamos mudar o perverso, porque não agimos como ele. Levanta-te e dá-lhe a mão, deixa-o nos braços de Deus, enche o seu ventre com o teu pão, a fim de que se sacie e se envergonhe.”

“O ofício do Vizir é este: velar pelo que acontece, porque é ele o esteio de todo o Egipto; cuidar para que tudo aconteça segundo a Lei, tudo segundo o costume, dando a cada um o que lhe cabe. A injustiça é amaldiçoada pelos deuses. Olha quem te é conhecido como quem te é desconhecido, quem está próximo do rei como quem está longe dele. Observa a Lei que está acima de ti.”

As possibilidades de acesso aos cargos elevados do estado estavam abertas a todos:
“Se tu, vindo do nada, conseguiste ser um grande e acumulaste riquezas depois de teres sido pobre na tua cidade, não te esqueças do tempo passado. Não confies nas tuas riquezas: elas chegaram até ti como um dom de Deus e não és melhor do que aquele a quem o mesmo não aconteceu”   (Ptahotep – 2675 a.C.)

A vida laboral dos artesãos era organizada em jornadas de duas partes de quatro horas cada, com uma pausa a meio do dia.
As faltas ao trabalho eram justificáveis em caso de cerimónia funebres de familiares, a quando da construção da própria casa, quando atingido por alguma doença ou picada de escorpião, no fabrico da cerveja e festas familiares.
As greves, embora raras, aconteceram e foram registadas como uma no reinado de Ramsés II, em que devido a um funcionário corrupto houve falta de pagamento aos trabalhadores e 60 artesão fizeram greve durante três dias. Existem igualmente registos de outras greves para salvaguardar direitos adquiridos assim como o nivel de vida.

“Ó artesãos selectos, hábeis e vigorosos... sereis abastecidos abundantemente e nada vos faltará... porque sei que o vosso trabalho é arduo.”

A Família e a Educação:



O casamento:
Na sociedade egipcia a mulher era livre de decidir se queria e com quem queria casar.
Era aceite o “casamento de facto” e era hábito os casais viverem algum tempo juntos antes de se casarem.
O adultério era igualmente punido tanto para o homem como para a mulher.




A familia:
Um casal tinha em média dois filhos e a mulher tinha um lugar muito previligiado na familia, sendo rodeada de atenções e respeito pelo marido e pelos filhos.
Os laços familiares eram fortes e com uma responsabilidade individual de todos os membros.






A educação:
Nos primeiros seis anos a educação era delegada exclusivamente à mãe, sendo incutindo desde muito cedo às crianças o respeito pelos avós.
Eram ensinados às crianças os mais altos valores de justiça e unidade, a qual era denominada “Educação do Coração”.
Era ensinada a descrição e profundo respeito pela liberdade dos outros:

“Não entres na casa de outrem sem que sejas convidado. Não pesquises o que não está em ordem na casa e, ainda que os teus olhos o observem, guarda silêncio e não fales disso a ninguém de fora.”

Após a instrução em casa, iniciava-a com velhos escribas em sua casa ou em escolas nas aldeias, onde eram aprendidas as primeiras noções elementares de escrita e cálculo. No caso das escolas, as lições começavam ao amanhecer e prolongavam-se até ao meio do dia.
As escolas eram abertas a todos e funcionavam como orgãos selectivos, segundo critérios verdadeiramente aristocráticos, de forma que aqueles que apresentassem capacidades continuassem os seus estudos superiores nos templos de modo a constituírem as elites dirigentes. Esses estudos superiores eram ministrados em duas linhas: Estudos Humanistas, onde se encontrava o estudo do Direito Divino e Humano, História e as Artes (escultura, pintura e música); por outro lado estavam os Estudos Científicos com matérias como a Astronomia, Geometria, Medicina e Cirurgia (esta como especialização).
O primeiro estágio de instrução, atribuido ao velho escriba, era pago pela família, o estágio seguinte era a cargo da administração do templo.

O corpo – espelho da alma:


Tanto os homens como as mulheres davam muita importância à higiene e a imagem estética do corpo (como reflexo da harmonia e ética da alma).
O extremo cuidado de higiene de todas as classes fez com que nenhuma grande epidemia dizimasse o Egipto. Antes da entrada nas casas, havia a obrigação de lavar as mãos e os pés. A casa era também regularmente desinfectada através de fumigação a fim de eliminar vermes e insectos.
Para além da prática regular de banhos perfumados, os corpos eram depilados, a fim de evitar o alojamento de microorganismos, pelas mesmas razões também era prática frequente a rapagem do cabelo, que por vezes era substituido por perucas. Fazia igualmente parte das práticas de higiene a limpeza bucal com natrão.

A estética no antigo Egipto encontrava-se em relação com a magia e a beleza, pois o Belo é a eterna presença de Deus nas coisas e a Magia a arte de ligar o visivel ao invísivel.

 

José Ramos
Dezembro 2010

Bibliografia:
- A Vida no Antigo Egipto, de Boris de Rachewiltz


 

curso_filosofia

 

 

 
 
  Nova Acrópole  
 

 
 

PROGRAMA KAIRÓS
DESENVOLVIMENTO PESSOAL

 
  Kairós  
  Vide Programa  
     
  CURSO FILOSOFIA E PSICOLOGIA
PRÁTICAS

A Sabedoria Viva das Antigas Civilizações
 
   
  Vide Programa do Curso  
 
FILOSOFIA ESOTÉRICA
Vide Programa
 

  ACTIVIDADES n.a. EM PORTUGAL  
 

a

 
  Lisboa  
  Porto  
  Coimbra  
  Aveiro  
     
  Notícias  
     

  NOVA ACRÓPOLE INTERNACIONAL  

  Anuários  
  Resoluções da Assembleia Geral  
     
  Perguntas Frequentes  
   
     
  Nova Acrópole Internacional  
     

SITES N.A. EM PORTUGAL

Porto
Coimbra
Aveiro
 

  outros cursos  

   
  Arte de Falar em Público  
  Florais de Bach  
     

  cÍrculo lima de freitas  

  Cursos de Matemática e
Geometria Sagradas

 
   
     

  REVISTA ACRÓPOLE  

   
     

  NOVIDADES EDITORIAIS  

  TÍTULOS PUBLICADOS  
   
 

 
© Nova Acrópole 2009 | Optimizado para monitor 1024X800 | Mapa do site | Webmaster