Logo_NA_Verde_2013    
     
  a   a   a   a   a   a   a   a   a   a  
                             
 

Teatro Grego

«Tão certo como a representação visível age mais poderosamente que a letra morta e a fria narração, também o teatro age mais funda e duradouramente que a moral e a lei.»
Schiller, in Teoria da Tragédia

 

«A tragédia é uma mimesis da acção, elevada e completa, dotada de extensão, numa linguagem temperada, com formas diferentes em cada parte, que se serve da acção e não da narração, e que, por meio da comiseração e do temor, provoca a katharsis de tais paixões.»
Aristóteles, in Poética

Teatro_Grego_Mascaras


Teatro grego, com origem no séc. VI a. C. e apoteose no séc. V de Péricles, surgiu como uma exoterização de uma parte das representações dramáticas e da sabedoria dos mistérios.

Começou indissociavelmente ligado a Elêusis e aos ritos dionisíacos. Esta faceta litúrgico-estética do Teatro como veículo transmissor da sabedoria mítico-esotérica de modo supra-racional é praticamente comum a todas as civilizações de cariz iniciático.

Na Índia, há referências a um teatro hindu no 2.º milénio a. C. e no Egipto, que tanta influência exerceu sobre a Grécia, o arqueólogo francês Drioton encontrou textos dramáticos de grande beleza relacionados com o mito de Hórus que remontam ao séc. XXV a. C..




Na evolução do teatro helénico surgiram a tragédia, o drama e a comédia, géneros teatrais que, de alguma forma, se relacionam com três dimensões a que o estado de consciência do ser humano pode aceder: a vivência mistérico espiritual (tragédia), o drama humano e a comédia do efémero. Daremos destaque à tragédia, através da qual se expressaram os três grandes génios do Teatro grego Ésquilo, Sófocles e Eurípedes.

 

«A essência da Tragédia grega é o provocar a vivência interior no espectador»


Jorge Angel Livraga, na sua obra A Tragédia Grega, sintetizou a sua emergência: «A Tragédia, cuja denominação provém dos mistérios eleusinos (de tragos «bode» e ode «canto»), surge espontaneamente de narrações épicas relacionadas com Dionísio-Baco. Téspis, contemporâneo de Sólon [séc. VI a. C] foi, pelo que sabemos (e ignoramos) quem deu acção aos factos relacionados com um hino, estabelecendo um diálogo entre um actor e o coro em geral, que bailava, cantava e às vezes se detinha frente a um altar. Pouco a pouco acção foi-se complicando, o número de actores aumentou e adoptaram-se velhas máscaras mistéricas providas de uma buzina que mudava e potenciava a sonoridade da voz humana. Apareceram trajes especiais, enchimentos, coturnos ou tamancos altos, tablados e aparelhos cénicos, que deram ao conjunto a natureza de uma representação apta para o público culto. Frínico, Prátinas e Querilo aperfeiçoaram estas artes até que Ésquilo (…) deu à luz a verdadeira Tragédia como género teatral. Ésquilo viveu, aproximadamente entre 525 e 456 a. C. As suas concepções foram grandiosas e, em alguns aspectos, francamente insuperáveis. Seguiram-se-lhe Sófocles (498-406) e Eurípedes (480-406) completando o melhor da tragédia grega».


A essência da Tragédia grega é o provocar a vivência interior no espectador (que assim se torna também num partícipe nesta «cerimónia iniciática», porque transformadora) em que, mais do que a razão, são o sentimento, a intuição e a percepção simbólica que se põem em movimento numa experiência que desperta a consciência para a mecânica profunda da Natureza invisível, a Ordem Cósmica que rege o Universo. Abre-se perante a consciência a visão do funcionamento da Diké (lei de justiça e compensação, lembra os conceitos de Dharma e Karma dos hindus) e das consequências da hybris (os «excessos» que conduzem à até, a cegueira mental).


Ésquilo, através das suas técnicas dramáticas, da dança, música, e de uma série de efeitos especiais (criava-se o barulho dos trovões, abriam-se portas silenciosamente, «deuses» desciam por cordas invisíveis, etc.) conseguia provocar uma espécie de «terapia de grupo» na assistência, uma catarse (katharsis: purificação) colectiva com poder alquímico, transmutador.
A essência artística da Tragédia grega inspirou muitos dos futuros génios do Ocidente tais como Shakespeare e Wagner, cujas obras mantêm o mesmo po­der da transmissão da tradição mítico-esotérica.

 

«Prometeu Agrilhoado»

O Prometeu Agrilhoado de Esquilo é provavelmente a tragédia grega de conteúdo mistérico mais profundo. Foi a única peça que se conservou duma trilogia que incluía o Prometeu Liberto e Prometeu Portador do Fogo.
Os seus simbolismos foram analisados por Jorge Angel Livraga na obra supracitada: «A tradução literal da palavra Prometeu é ‘aquele que prevê’, ao contrário de seu irmão Epimeteu, ‘aquele que pensa depois’. (…) Blavatsky relaciona Prometeu com os Pitris Agniswatas ou ‘Pais do Fogo’, pois, segundo a antiga tradição por ela compilada, Prometeu representa uma onda de seres divinos que, apiedados pela condição humana desprovida de uma mente que lhe possibilitasse o acesso aos planos superiores da consciência, ‘rebelaram-se’ (como num outro mito, o bíblico, o faz Lúcifer, o ‘Portador da Luz’ e, por isso, foi precipitado nos abismos e é reconhecido como o ‘Anjo Caído’) contra o Destino que só havia dotado a humanidade com o que, na verdade, lhe correspondia na escala evolutiva: a mente concreta (o kama-manas hindu), e ‘roubaram’ para ela a ‘centelha’ da Mente. (…)


O Mito de Prometeu – que insistimos, não se entenderá se não for relacionado com o de Pandora, a sua caixa e a abertura que dela fez Epimeteu –, é o mito da descida da Mente superior no homem e pertencia aos mistérios. Nunca tinha saído para o exterior, senão como imagem piedosa popular. Esquilo divulgou-a por inteiro, através duma tragédia, a todo aquele que quisesse conhecer.»

Paulo Alexandre Loução


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
 
  Nova Acrópole  
  imagem  
  CURSO FILOSOFIA PRÁTICA
A Sabedoria Viva das Antigas Civilizações
 
   
  Vide Programa do Curso  
 

  ACTIVIDADES n.a. EM PORTUGAL  
 

a

 
  Aveiro  
  Braga  
  Coimbra  
  Lisboa  
  Oeiras-Cascais  
  Porto  
   
  Notícias  
     

  NOVA ACRÓPOLE INTERNACIONAL  

  Anuários  
  Resoluções da Assembleia Geral  
     
  Perguntas Frequentes  
   
     
  Nova Acrópole Internacional  
     

SITES N.A. EM PORTUGAL

Porto
Coimbra
Aveiro
Braga
 

  outros cursos  

   
  Arte de Falar em Público  
  Cursos de Matemática e
Geometria Sagradas
 
  Florais de Bach  
  Outros Cursos  
     

  REVISTA ACRÓPOLE  

   
     

  NOVIDADES EDITORIAIS  

  TÍTULOS PUBLICADOS  
   
 

 
© Nova Acrópole 2009 | Optimizado para monitor 1024X800 | Mapa do site | Webmaster