Logo_NA_Verde_2013    
     
  a   a   a   a   a   a   a   a   a   a  
                             
 

Viriato - Pai da Lusitânia e o Modo de Viver Estóico

 

Ainda que Indibil e Mandonio fossem caudilhos iberos que combateram as legiões romanas, aliando-se aos cartagineses, o primeiro que praticamente uniu toda a Lusitânia na luta contra o invasor foi Viriato. Ele é uma encarnação da História e, talvez, perante o olhar do Céu, o primeiro Rei da Lusitânia. Também é um modelo de vida austero, generoso, entregue ao serviço da comunidade, “a Causa Pública”. Os filósofos estóicos fizeram dele um paradigma de alma forte e sábia, pois sendo ainda um pastor - da Serra da Estrela?, logo caçador, antes de se converter num caudilho de homens, sabia ler no coração do homem e no coração da natureza.

Viriato (m. em 139 a. C.) converte-se, depois das suas façanhas e da sua vida austera, no ideal do herói da filosofia cínica e estóica. Não um ideal de “bom selvagem”, mas o de uma alma valente e sábia não deformada pelos modos amaneirados e falsas necessidades que uma civilização com excesso de refinamento cria. Séneca ensinou-nos que aquilo que é necessário deve ser procurado, é lei de vida; aquilo que é útil, só se for oferecido e o que não é necessário nem útil, nem se for oferecido. Platão, na sua República elegeu como modelo de vida o espartano. A educação ateniense era ideal, mas a forma de viver espartana era melhor para os desígnios da alma. Ainda que, talvez, a melhor opção fosse o “modus vivendi” de Júlio César, de alma sensível à arte e à beleza, capaz dos maiores refinamentos de vida e, no entanto, quando era necessário tinha uma dureza e têmpera espartanas, na hora de experimentar privações e fadigas. A questão é que é muito difícil estar aberto a todo o tipo de influências e prazeres e que a alma não se amoleça com isso, por isso a chave do pensamento estóico, ao contrário da escola de Epicuro, era forjar a alma através das dificuldades dando ao corpo estritamente aquilo que necessitava estritamente, segundo a sua natureza.

Ouçamos os “murmúrios da história”, que repetem como um eco o nome, têmpera e façanhas de Viriato, o nosso herói lusitano. O texto é do filósofo estóico Possidónio (135-50 a. C., aprox.), que juntamente com Panécio, é a figura mais destacada do chamado Estoicismo Médio. Este texto do filósofo aparece na obra de Diodoro Sículo:

“O lusitano Viriato foi de uma linhagem humilde, segundo alguns, mas famosíssimo pelas suas façanhas, já que de pastor se converteu em bandoleiro e depois general. Era naturalmente, e pelos exercício que fazia, extremamente rápido na perseguição e na fuga, e excelente na luta a pé. Uma comida simples e uma bebida sem refinamentos era o que tomava com maior prazer: passou a maior parte da sua vida ao ar livre e sempre se satisfez com os leitos que a natureza lhe ofereceu. Por isso era superior a todo o tipo de cansaços e inclemências, nunca sofria com a fome, não se lamentava ante nenhuma contrariedade, sabendo extrair um bom partido de todas as circunstâncias desfavoráveis. Destacado tanto pela natureza como pela sua preocupação em manter essas qualidades físicas, destacava-se ainda mais pelas qualidades do espírito. Era rápido a compreender e a executar o necessário, vendo, ao mesmo tempo, o que tinha que ser feito e a oportunidade óptima para o realizar; era também capaz de fingir que conhecia o mais obscuro e que desconhecia o mais evidente. Mantinha-se sempre igual a si mesmo tanto no acto de mandar como na obediência, nem modesto nem altivo: e pela humildade da sua origem e prestígio do seu poder conseguiu não ser inferior nem superior a nenhum. Em definitivo, não empreendia a guerra nem por ganância, nem por amor ao poder, nem movido pela cólera, mas fazia-a por ela mesma, e é sobretudo por isto que foi temido como guerreiro ardente e conhecedor da arte bélica”.

 

José Carlos Fernández
Director Nacional da Nova Acrópole

 

Nota: a editora Ésquilo tem editados dois livros sobre este herói e príncipe da Lusitânia. Um é o ensaio de Mauricio Pastor Muñoz cujo título é: Viriato - A Luta pela Liberdade e o outro é um romance histórico de grande beleza e inspiração escrito pelo poeta Fernando Barrejón chamado: Viriato - O Colar dos Deuses.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
 
  Nova Acrópole  
  imagem  
  CURSO FILOSOFIA PRÁTICA
A Sabedoria Viva das Antigas Civilizações
 
   
  Vide Programa do Curso  
 

  ACTIVIDADES n.a. EM PORTUGAL  
 

a

 
  Aveiro  
  Braga  
  Coimbra  
  Lisboa  
  Oeiras-Cascais  
  Porto  
   
  Notícias  
     

  NOVA ACRÓPOLE INTERNACIONAL  

  Anuários  
  Resoluções da Assembleia Geral  
     
  Perguntas Frequentes  
   
     
  Nova Acrópole Internacional  
     

SITES N.A. EM PORTUGAL

Porto
Coimbra
Aveiro
Braga
 

  outros cursos  

   
  Arte de Falar em Público  
  Cursos de Matemática e
Geometria Sagradas
 
  Florais de Bach  
  Outros Cursos  
     

  REVISTA ACRÓPOLE  

   
     

  NOVIDADES EDITORIAIS  

  TÍTULOS PUBLICADOS  
   
 

 
© Nova Acrópole 2009 | Optimizado para monitor 1024X800 | Mapa do site | Webmaster