Na margem de um pântano havia um escorpião com muita vontade de passar para o outro lado.

  • Por favor, deixa-me subir para as tuas costas e ajuda-me a passar o pântano! Pediu a uma rã.
  • Deves estar louco! Respondeu a rã – se sobes para as minhas costas, picas-me e eu morro!
  • Não sejas tonta! Respondeu o escorpião – que interesse teria eu em picar-te? Se te pico, tu afundas-te, e se te afundas, eu também me afogo, porque não sei nadar …

Finalmente, depois de tanto insistir, o escorpião convenceu a rã e esta começou a travessia do pântano carregando o escorpião nas suas costas.

Quando chegaram a metade do caminho, a rã sentiu uma dor intensa de picada e o veneno impediu-a de mover-se.

  • Não vês? Protestou – picaste-me, vou morrer!
  • Eu sei – respondei o escorpião – sinto muito … mas nada pode actuar contra a sua natureza.

E também ele se afundou nas águas do pântano.
Fábula Africana
Conto recompilado por Elena Sabidó