Esta visita, integrada na programação da Braga Barroca, foi organizada com o apoio do Município de Braga. Agradecemos a visita guiada ao Prof. Rogério Sousa, pelo seu empenho e disponibilidade. No ano em que se iniciam as celebrações do tricentenário do arcebispado de D. Rodrigo Moura Teles, propusemos ao visitante um percurso que desvenda o significado do escadório do Bom Jesus do Monte, o mais importante santuário de Braga e seguramente o mais elaborado sacro-monte do mundo cristão. Em pleno Século de Ouro, D. Rodrigo de Moura Teles (1644-1728) empreendeu um ambicioso programa de construções religiosas na Arquidiocese de Braga. O santuário do Bom Jesus do Monte, uma das suas últimas realizações, tornou-se a sua Opus Magnum, nela projectando um espaço de características únicas, combinando o repertório tradicional da Via Crucis com alusões ao Antigo Testamento, à mitologia clássica e à simbólica hermética. Desta confluência de linguagens tipicamente barroca, resulta a esplendorosa materialização de uma utopia singular. Através dos seus diferentes ciclos monumentais e dos signos neles dispostos, o Bom Jesus do Monte revela ao visitante um caminho interior que o conduz rumo às suas próprias origens.