Na quinta-feira, 16 de março de 2023, teve lugar no salão Nobre do Palácio Marquês de Pombal, uma agradável noite, onde pudemos perscrutar os mistérios do deus egípcio Ámon.

No âmbito do «Ciclo de Conferências sobre os Deuses Egípcios», organizado pela Nova Acrópole Oeiras-Cascais, o professor José Carlos Fernández, escritor, investigado e director nacional da Nova Acrópole, partilhou os conhecimentos sobre este deus egípcio que integra o princípio régio e os poderes de criação e transformação.

Ficou na memória a referência ao azul da pedra lápis lazúli associada a Ámon. Num determinado momento histórico este deus tebano torna-se o deus protetor dos Faraós, sendo associado a Rá, pelo que passou a denominar-se Ámon-Rá, o Deus Solar.

Mais tarde, Alexandre Magno intitula-se filho de Ámon e assume-se como manifestação dele mesmo – facto que terá sido confirmado pelos sacerdotes do templo de Ámon, em Siwa. Razão pela qual Alexandre Magno é muitas vezes representado com chifres na cabeça, numa alusão a Khnum-Ámon.

A força de Amón pode ser resumida na máxima egípcia, «O deus cuja sombra protege os outros deuses», divulgada no final da conferência.

Segue-se na próxima conferência deste ciclo, a análise da deusa Mut.