Concluído o périplo pelos Mitos gregos voltamo-nos agora para os Persas. Realizou-se hoje, dia 16 de janeiro, uma vídeo-conferência sobre um dos Mitos da Pérsia que está descrito na sua principal coletânea de mitologia que é o Livro dos Reis de Ferdusi.

Cleto Saldanha, formador da Nova Acrópole, deu início à vídeo-conferência sob o tema “Rostam e os 7 Trabalhos”, apresentando algumas imagens das provas pelas quais o herói vai passar e o Shahnameh, épico Persa onde este mito se encontra narrado, fez o paralelismo entre este e os seus homólogos gregos, Odisseia e o clássico Indiano, o Mahabarata.

Apresentou-nos o herói como uma personagem de grande importância na tradição Persa, pela sua magnitude, similar à de outros heróis conhecidos, como por exemplo Hércules. Dá ênfase ao seu carácter, ao desprezo que tem pelos limites, à ânsia que tem por sobressair. Mas também exalta o facto de ser senhor de si próprio, de fazer serviço voluntário e o facto de preservar a sua liberdade. Refere que o encanto de Rostam reside exactamente na dualidade
entre serviço exaustivo ao trono e a sua liberdade.

Fala-nos dos antecedentes e do seu nascimento, explica através da história do pai como ele vai ter acesso aos poderes mágicos e como a ligação com a magia e os demónios prossegue com a sua mãe. Conta-nos como Rostam conseguiu o seu cavalo, Rakhsh, e também a simbologia que
encerra o conjunto cavalo e cavaleiro.

Passa à explicação das provas depois de dizer como estas surgiram.
Mostra-nos como as provas começam no plano mais físico e como se vão tornando cada vez mais subtis, pois a consciência foi despertando e no fim já era o espírito que governava a matéria.

Termina fazendo a comparação entre os trabalhos de Rostam e o confronto com nós próprios e a capacidade de seguir em frente e a história de Rostam e a luta do Bem contra o Mal no percurso da humanidade.