14 de maio de 2022

Em parceria com a Biblioteca Galveias, a Nova Acrópole Lisboa organizou aí, uma conferência sobre Yuval Noah Harari, apresentada pelo Prof. José Carlos Fernández, diretor nacional da Nova Acrópole Portugal.

Começou por fazer uma breve apresentação do célebre escritor israelita, pensador e historiador contemporâneo. Referindo que vários dos seus livros, onde aborda questões ligadas à Filosofia da História, são autênticos best sellers, entre eles: “Sapiens, História Breve da Humanidade”, “Homo Deus, História Breve do Amanhã” e “21 Lições para o Século XXI”. Mencionou que, de algum modo, estes três livros, procuram dar uma resposta, de uma forma muito particular, às 3 questões filosóficas do ser humano – de onde venho? quem sou? e para onde vou?

Segundo o conferencista, Harari tem um estilo muito claro, uma mente objetiva, com capacidade de ver as coisas com muita agudeza e imaginação. Fazendo ligações de ideias de uma forma muito audaz. Mas, paradoxalmente, possui uma visão reducionista da evolução do Homem, um pouco semelhante a Comte, com o positivismo do século XIX. Harari faz uma espécie de culto às possibilidades tecnológicas e à mudança que estas produzirão no ser humano, fazendo tábua rasa de tudo o que sai fora desta narrativa científica.

Se por um lado, consegue criar prognósticos verosímeis sobre o futuro da evolução humana, não terão estes por base uma visão bastante simplificada e materialista da complexidade da Humanidade?

Durante a conferência, procurou-se fazer uma exposição do posicionamento que Harari assume na abordagem à Filosofia da História, para que este pudesse servir de tema de reflexão.