Realizou-se no Museu da Farmácia, em Lisboa, o Congresso de História das Ciências da Saúde PHÁRMACON sobre o tema “Do combate da enfermidade à invenção da imortalidade”, organizado pelo Instituto Prometheus em parceria com a Cátedra Infante Dom Henrique para os Estudos Insulares Atlânticos e da Globalização e com o apoio da Nova Acrópole. O congresso durou três dias e contou com 50 oradores nacionais e internacionais, entre os quais o Prof. José Carlos Fernández, Director Nacional da Nova Acrópole, com o tema “Los Cuadrados Mágicos en la Terapéutica antigua: en China, en el Islam, Edad Media y Paracelso”, e José Ramos, Director da Nova Acrópole em Coimbra e Médico de Medicina Chinesa, com o tema “As escolas médicas e as escolas de filosofia na Grécia antiga”.

Conferência “Los Cuadrados Mágicos en la Terapéutica antigua: en China, en el Islam, Edad Media y Paracelso, pelo Prof. José Carlos Fernández

O Prof. José Carlos Fernández na conferência sobre “Los Cuadrados Mágicos en la Terapéutica antigua: en China, en el Islam, Edad Media y Paracelso” demonstrou como o uso destes quadrados foi de uso generalizado em muitas culturas espalhadas pelos diferentes continentes, desde o Islão, onde Al Gazzali expõe o seu efeito para ajudar ao parto, ideia que se volta a encontrar na Índia e na sua obra médica Siddhayoga de Vrinda. Na China encontramos a mais antiga referência ao uso destes quadrados mágicos, embora muito provavelmente importados da Índia, e que utilizaram num amplo domínio de aplicações: médico, adivinhatório, arquitectónico, ritual, mágico, metereológico, astrológico, filosófico e mesmo para o conhecimento da alma humana. Mas também o uso destes talismãs se encontrou em muitas tribos da África Ocidental, tanto para finalidades terapêuticas como apotrópicas nos mais variados suportes, desde os de uso pessoal à construção das casas. O Prof. José Carlos Fernández deu ainda destaque e uma profunda explicação relativamente ao famoso quadrado mágico “Melancolia” do pintor Albretch Durer.

Foi verdadeiramente um percurso fascinante sobre a concepção, valor e utilização dos quadrados mágicos e que podes assistir na integra no vídeo.

Conferência “As escolas médicas e as escolas de filosofia na Grécia antiga”, por José Ramos

Na conferência sobre “As escolas médicas e as escolas de filosofia na Grécia antiga”, o Prof. José Ramos demonstrou como as escolas médicas ao longo dos tempos se encontraram profundamente ligadas às escolas de filosofia, e como ambas foram caminhando a par das diferentes formas do ser humano se entender a si mesmo e ao universo, criando assim uma concepção integral de saúde. No pensamento grego, a relação entre a filosofia e a medicina é muito estreita, sendo-lhes comum um dos postulados mais importante para ambas: a abordagem unificadora e integral. Nos diálogos platónicos encontra-se frequentemente a comparação entre a medicina e a filosofia, a primeira cuidando do corpo e a segunda da alma, que tanto para Platão como para Hipócrates, sempre o cuidado da alma levava ao cuidado do corpo, e por isso medicina e filosofia uniam-se no cultivo da alma que era a fonte da harmonia, da felicidade e por isso da saúde.

O que o Prof. José Ramos nos deixou nesta conferência foi mais do que um percursso pela história da medicina na Grécia, foi antes uma viagem ao coração, essência e finalidade da medicina na Grécia, coração esse onde reside o sentido e trabalho da filosofia… e tudo isso poderás assistir neste vídeo.