Hoje, na altura em que o mito da igualdade cambaleia, pode-se apreciar mais livremente a Sabedoria dos antigos, que afirmavam que todas as coisas e todos os seres têm existências diferentes.
Mais: dentro da mesma pessoa é difícil registar dois estados de ânimo iguais ao longo de um dia, de um mês ou de um ano. O mau é que, salvo as excepções que confirmam a regra, estes estados de ânimo têm frequentemente um denominador comum pernicioso, que é o de observar preferencialmente a parte negativa de tudo e de todas as coisas.

À sua maneira, cada qual sente-se um mártir, um incompreendido ou uma vítima dos demais, que não o amam nem o valorizam como merece, mais um longo etcetera que seria impossível descrever aqui.
É notável como o egocentrismo, com tendência mais ou menos acentuada para o egoísmo, modifica as atitudes e procedimentos, convertendo em néscios os inteligentes, em ociosos os trabalhadores e em débeis os potencialmente fortes.

O excesso de individualismo é tão mau como o seu contrário.

Todos acreditam ter, de alguma maneira, as chaves do sucesso, mas quando são postos à prova fracassam, deitando a culpa sempre para os outros e assumindo posições psicológicas sombrias. Não é raro encontrar indivíduos que são verdadeiros déspotas para os seus subordinados e que são extremamente sensíveis quando lhes toca a eles obedecer ou ouvir um correctivo. Então decai a alegria e uma nuvem cinzenta abate-se sobre a torturada consciência, que acredita ser vítima de uma injustiça, ao mesmo tempo que proclama as suas próprias bondades e os erros dos próximos.

Esta atitude pessimista e negativa, ao observá-la ao longo dos anos, em centenas de pessoas que bem poderiam experimentar uma atitude mais autêntica, positiva e humilde perante a vida, chamou-me profundamente a atenção.

Recordei-me da parábola de Platão sobre o “Olho da Alma”, esse que de acordo para onde se dirige, vê panoramas diferentes e comunica visões escuras, cinzentas ou francamente luminosas. E imaginei que temos dentro algo assim como um espelho de posição variável. E nele reflecte-se aquilo para o qual está dirigido. Se o deixarem folgado, lasso, caído para a parte baixa do Mundo, somente reflectirá sombras, perigos, adversidades. Se, com um pouco de esforço conseguirmos levantá-lo, mesmo que seja até à horizontal, o seu campo de visão ampliar-se-á consideravelmente e sem despojar-se de trevas, abarcará também horizontes luminosos e pluralidade de seres e coisas interessantes, dignas de se ter em conta, e a Alma ampliará a sua possibilidade de perceber e por¬ tanto de discernir, decidir e actuar.

Se, com firme vontade, levantarmos ainda mais o espelho, veremos as coisas adversas do mundo borradas e um Céu de Luz levará beleza e alegria ao nosso Coração. Estaremos naturalmente predispostos para o êxito, para a alegria e a Sabedoria desenvolver-se-á descobrindo para nós verdadeiras maravilhas e os motores escondidos das coisas visíveis. Perceberemos as mãos de Deus em cada obra e o seu Pensamento incomensurável regendo todas as ideias e todas as formas.

Assim, saudavelmente entretidos na visão e na vivência de tais prodígios, iremos esquecendo pouco a pouco as nossas estreitezas egoístas, a nossa ignorância que descarrega sobre as costas alheias os pesos das responsabilidades que nos enobrecem e que justificam a nossa vida.

Mantendo esse reflexo do Céu na nossa Alma, tudo se tornará mais fácil e as caminhadas mais agradáveis, frutíferas e alegres. Na verdade, vale a pena o esforço, pois de uma semente de vontade surge um bosque de bem-aventurança, de felicidade e de conformidade emocional consigo mesmo, ao poder ver com claridade as características do Caminho e dos caminhantes que, com o espelho virado para as trevas, não podíamos distinguir.

As vacilações diminuem e o medo é substituído por uma saudável inquietude renovadora e vital.
Os queixumes tornam-se risos e naturalmente somos melhor aceites por todos simplesmente movendo para cima o nosso espelho interior.

Jorge Angel Livraga
Fundador da Org. Internacional Nova Acrópole