Inéditos, os Últimos Poemas de Florbela Espanca

11,00 

Em stock

Em stock

Autor

Severina Gonçalves e José Carlos Fernández

Formato

15,5 x 23 cm

N.º páginas

86

Encadernação

Capa mole

DESCRIÇÃO

Passados mais de oitenta anos da morte da poetisa de Portugal, a voz do tempo faz elevar em ecos de memória mais seis sonetos de incontestável traça florbeliana.

Hoje publicados para o grande público, «Velhinha e Moça», «Condenados», «Riso Amargo», «Onde?», «Drama Eterno» e «Exilada», podem encontrar a leitura dos que os esperavam. Estes poemas repousaram nas mãos da sua grata discípula, a Prof.ª Aurélia Borges,  no silêncio que aguarda o momento da ressurreição.

Entregues à investigadora Severina Gonçalves, difundidos para todo o mundo pelo Grupo de Poesia Florbela Espanca, da Nova Acrópole, estas imagens feitas poemas encontram imersas, nestas páginas, os seus inconfessáveis destinatários.

Certifica o biógrafo da poetisa, o Prof. José Carlos Fernández:

«(…) se cada obra de arte é um cristal alquímico que na vivência estética desvela uma verdade profunda, se cada poema é, no encantamento dos seus versos e na música das suas imagens e símbolos, uma porta aberta para um caminho que nos faz entrar no belo e desconhecido, cada um destes sonetos também nos convida a penetrar no santuário de Soror Saudade e a sentir palpitando a vida e alma de Florbela, como charneca estéril que floresce.»

Severina Gonçalves é poetisa, sendo integrante do Grupo de Poesia Florbela Espanca da Nova Acrópole de Lisboa. É também investigadora em Filosofia e Literatura. Desde cedo se identificou com a obra de Florbela, estudando cada vez mais profundamente, ao longo dos anos, a obra desta poetisa.

José Carlos Fernández é escritor, investigador e director da Nova Acrópole em Portugal desde 2004. É autor do livro Córdoba Eterna,  do romance histórico Viagem Iniciática de Hipátia e coordenador das obras Atlântido – Mito ou Realidade, Grécia Mágica, Os Templários e o Caminho de Santiago. Escreveu uma biografia sobre a poetisa: Florbela Espanca – a Vida e a Alma de uma Poetisa.